Logo UNICAMP

Unicamp 2023 - 1ª fase


Questão 61 Visualizar questão Compartilhe essa resolução

Movimento Operário

Na Greve de 1917 em São Paulo, os conflitos propagaram-se a partir do Cotonifício* Crespi, com cerca de 2 mil trabalhadores; em pouco tempo, congregaram 50 mil pessoas numa cidade de 400 mil habitantes. Entre sociedades de classes, as quais eram combativas, políticas e de identidade étnica, havia sido organizado em março daquele ano, pouco antes da eclosão da greve, o Comitê Popular de Agitação contra a exploração das crianças. Por meio de enquetes, reuniões e palestras, o Comitê procurava revelar as relações de trabalho a que os menores estavam sujeitos: jornadas extenuantes e graves acidentes. Nas notícias de jornais, era comum encontrar casos como o de José, de 12 anos, que teve o braço esmagado por uma máquina amassadeira da fábrica de biscoitos “A Fidelidade”, e Henrique Guido, de 8 anos, que teve os dedos decepados numa oficina da Barra Funda.

(Adaptado de FRACCARO, Glaucia. Mulheres, sindicato e organização política nas greves de 1917 em São Paulo. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 37, n. 76, p. 76-77, 2017.)

*Cotonifício: algodoaria.

Com base no excerto e em seus conhecimentos sobre a história do trabalho no Brasil, é correto afirmar que



a)

as mobilizações da greve de 1917 tinham por objetivo implementar a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), base legal da igualdade salarial entre homens, mulheres e crianças, reconhecida nos anos de 1990.

b)

em resposta à greve de 1917, o presidente Venceslau Brás institui, no ano seguinte, para a indústria brasileira, a igualdade de salário entre homens e mulheres e torna ilegal o trabalho infantil no setor têxtil de todo o país.

c)

a greve de 1917 foi impulsionada, entre outros fatores, pelos baixos salários (não obstante o cenário de alta inflação), multas contra os trabalhadores, acidentes, jornadas extenuantes, e falta de regulamentação do trabalho de menores.

d)

na época da greve de 1917, o trabalho das crianças nas fábricas era considerado ilegal; o trabalho infantil foi regulamentado posteriormente por Getúlio Vargas por meio das leis trabalhistas.

Resolução

a) Incorreta. Embora a greve geral de 1917 tivesse como objetivo obter ganhos salariais e diminuição de jornada aos trabalhadores, regular o trabalho feminino e proibir o trabalho infantil, não podemos afirmar que defendiam a aprovação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Essa foi uma medida adotada por Getúlio Vargas em 1943, em consequência de todas essas movimentações anteriores. A própria CLT garante a igualdade salarial entre homens e mulheres no Brasil desde sua aprovação, embora essa seja uma questão que até hoje não tenha sido implementada completamente, fato que leva a adoção de novas legislações até hoje. Já as crianças e adolescentes possuem uma legislação específica, regulada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), estabelecido pela Constituição de 1988 e segundo o qual é proibido qualquer trabalho a menores de quatorze anos de idade
b) Incorreta. O trabalho de menores de 14 anos foi proibido apenas a partir da Constituição de 1934, e não durante a presidência de Venceslau Brás (1914-1918). Já a igualdade salarial entre homens e mulheres foi estabelecida pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) em 1943.
c) Correta. De fato, o contexto da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) levou o Brasil a se tornar grande exportador de alimentos para a Europa, situação que levou a carência de alimentos em nosso país e uma decorrente inflação, piorando significativamente as condições de vida dos trabalhadores. Diante desse contexto, as indústrias se aproveitaram das precárias ou inexistentes legislações na época para empregar uma farta mão de obra infantil, ofereceriam baixíssimos salários, além de precárias condições de trabalho e higiene que acabavam causando graves acidentes e mutilações aos trabalhadores. 
d) Incorreta. Na época da greve geral de 1917 o trabalho infantil não era considerado ilegal, sendo inclusive utilizado amplamente nas fábricas devido ao seu baixo custo. Apenas em 1927 foi criado o Código de Menores, que impedia .o trabalho de crianças de até 11 anos, enquanto a atividade dos adolescentes entre 12 e 17 anos ficou autorizada, porém com uma série de restrições. Na Era Vargas (1930-1945), a Constituição de 1934 estabeleceu a proibição do trabalho de menores de 14 anos. Já Constituição de 1946 possibilitou que  juízes permitissem o trabalho noturno a partir dos 16 anos.

Questão 62 Visualizar questão Compartilhe essa resolução

Ditadura Militar

“Como pode um povo vivo
Viver nesta carestia
Como poderei viver
Como poderei viver

Dia e noite, noite e dia
Com a barriga vazia
Como pode um operário
Viver com esse salário

Como pode a criançada
Estudar sem comer nada”

(“Programa oficial do lançamento geral do abaixo-assinado” do Movimento do Custo de Vida, 12/03/1978. Doc. 039_4. Fundo ECO_PRE, Centro Pastoral Vergueiro. Citado em: MONTEIRO, Thiago Nunes. Como pode um povo vivo viver nesta carestia: O Movimento do Custo de Vida em São Paulo (1973-1982). São Paulo: Humanitas, 2017.)


A letra acima foi utilizada pela campanha coordenada pelo Movimento Custo de Vida, iniciado por mulheres das periferias da cidade de São Paulo, em 1978. Sobre as lutas por melhores condições de vida durante a década de 1970 na ditadura militar (1964-85), é correto afirmar que



a)

o Movimento do Custo de Vida foi organizado para protestar contra as políticas econômicas e sociais da ditadura militar que provocavam o arrocho salarial e a inflação.

b)

diante da impossibilidade de fazer protestos de rua, o Movimento do Custo de Vida teve atuação por meio de letras de músicas de duplo sentido (para driblar a censura), veiculadas no rádio.

c)

após reunir cerca de 200 mil pessoas na Praça da Sé em São Paulo em 1978, o Movimento do Custo de Vida migrou para a luta armada como resposta à repressão.

d)

as Comunidades Eclesiais de Base, instaladas nas periferias das grandes cidades e onde começou o Movimento do Custo de Vida, foram desmanteladas em 1979.

Resolução

a) Correta. O Movimento do Custo de Vida (MCV) teve início a partir da articulação de mulheres humildes da Zona Sul de São Paulo, que se uniram para protestar contra a carestia de alimentos e de outros produtos essenciais. Diversas mulheres da periferia de São Paulo se organizaram no ano de 1973 no Clubes das Mães da Zona Sul e, com o apoio das Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica (liderada na época pelo cardeal arcebispo de São Paulo dom Paulo Evaristo Arns), fundaram o MCV abordado no presente exercício. 
b) Incorreta. As estratégias de luta do MCV não consistiam na elaboração de letras de músicas de duplo sentido. Uma das principais ações do movimento foi a realização de uma ampla pesquisa dos trabalhadores sobre o custo de vida (com amostragem de duas mil casas), seguida da articulação de um abaixo-assinado que solicitava o congelamento de preços, o aumento de salários e a ampliação do número de creches e escolas. Esse documento reuniu 1,3 milhão de assinaturas e foi entregue simbolicamente em 1978 na Praça da Sé em São Paulo em um ato que reuniu aproximadamente 20 mil pessoas.
c) Incorreta. Embora o movimento tenha reunido um número considerável de pessoas na Praça da Sé em 1978, conforme exposto na alternativa B, é incorreto afirmar que o movimento migrou para a luta armada como resposta à repressão. A guerrilha (ou luta armada) foi realizada no Brasil por organizações como a Ação Libertadora Nacional (ALN), o Comando de Libertação Nacional (COLINA), o Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8), o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares).
d) Incorreta. As CEBs não foram desmanteladas em 1979, pelo contrário, existem até os dias atuais e originaram vários movimentos sociais. Vale ressaltar que tais comunidades surgiram no contexto da Ditadura Militar, quando alguns quadros do catolicismo buscavam uma reorganização da Igreja Católica com o intuito de enfatizar a mensagem cristã enquanto norteadora de ações para libertação de oprimidos. O objetivo dessas abordagens - como a Teologia da Libertação - era aproximar os ensinamentos católicos da realidade material e social dos miseráveis. Segundo Frei Betto, as CEBs são "grupos organizados em torno da paróquia rural ou urbana por iniciativa de leigos, padres ou bispos." Ainda segundo ele, esses religiosos são motivados pela fé e vivem em “comum-união em torno de seus problemas de sobrevivência, de moradia, de lutas por melhores condições de vida e anseios e esperanças libertadoras”. Desse modo, essas comunidades configuraram-se como um importante espaço de mudanças sociais e de oposição ao regime.

Questão 63 Visualizar questão Compartilhe essa resolução

Ditadura Militar Ditadura Argentina

Sobre os debates entre os Governos do Mercosul, é importante destacar que existem instâncias de construção de memórias regionais. Estas experiências acompanham os processos de verdade e justiça que estão em andamento nos países para revisar, investigar e julgar os crimes de lesa-humanidade cometidos, no passado, pelo Estado. Nesta linha, os lugares de Memória são instâncias que buscam transformar certas marcas a fim de evocar memórias e torná-las inteligíveis ao situá-las no contexto de um relato mais amplo.

(Adaptado de: MERCOSUL. Instituto de Políticas Públicas em Direitos Humanos do MERCOSUL (IPPDH). Princípios fundamentais para as políticas públicas sobre lugares de memória. Buenos Aires: Mercosul, p. 5, 2012.)

A partir do excerto e de seus conhecimentos, assinale a alternativa correta.



a)

Embora o Mercosul seja definido pela integração econômica, seus países membros também partilham experiências de ditaduras militares no passado, experiências essas que constituem uma memória regional comum.

b)

A escolha de lugares de memória comuns ao passado dos países membros do Mercosul pauta a agenda econômica de sua integração e baliza a construção de patrimônios edificados.

c)

A reparação dos crimes cometidos pelas ditaduras militares dos estados membros do Mercosul se tornou possível com a criação de instâncias jurídicas supranacionais que julgam violações contra a humanidade.

d)

Ainda que novas, nota-se que o objetivo das políticas públicas de memória do Mercosul – acerca dos traumas das ditaduras – é eleger um conjunto de patrimônios edificados para pacificar o passado.

Resolução

a) Correta. Fundado em 1991, o Mercosul é um bloco econômico regional que busca a integração econômica entre seus países fundadores, isto é, Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Desde 2012, a Venezuela também passou a ser considerada integrante plena do bloco econômico, encontrando-se atualmente suspensa desde 2017 em virtude da ruptura da ordem democrática no país. Os países fundadores do Mercosul compartilham um passado comum de Ditaduras Militares surgidas no contexto da Guerra Fria e que foram responsáveis por graves violações de direitos humanos, sendo elas a Ditadura Civil-Militar Argentina (1976-1983), a Brasileira (1964-1985), a Uruguaia (1973-1985) e a Paraguaia (1954-89). A vinculação histórica entre tais ditaduras é atestada mesmo pela existência da Operação Condor, campanha de cooperação entre as polícias políticas das Ditaduras do Cone Sul e que resultaram na perseguição e ações coordenadas contra as vítimas de tais regimes. É justamente para a preservação e valorização da memória das vítimas e daqueles que resistiram às Ditaduras que o Mercosul busca a criação de locais regionais de memória, intuito apresentado pelo documento fornecido pela questão.
b) Incorreta. Não é possível afirmar que a agenda econômica do Mercosul é pautada pela escolha de lugares de memória tratada no documento. Os acordos que envolvem as políticas públicas sobre lugares de memória buscam valorizar a justiça, a verdade e a reparação histórica sobre eventos históricos comuns aos países membros, como as Ditaduras Militares, e não apresenta aspectos econômicos intrínsecos.
c) Incorreta. Não houve a criação de "instâncias jurídicas" supranacionais que buscaram a "reparação dos crimes cometidos" pelas ditaduras nos países-membros do Mercosul. O tema foi tratado de maneira particular em cada país, resguardando significativas diferenças entre si. Por exemplo, enquanto que a existência da Lei de Anistia (1979) limitou bastante o processo de investigação e punição dos agentes da Ditadura no Brasil, a Argentina efetuou nos anos subsequentes ao regime a criação de Comissões da Verdade que condenaram mais de 200 militares e civis por envolvimento em mortes, prisões e torturas durante o regime. Ainda no caso brasileiro, além das restrições punitivas impostas pela Lei de Anistia, destaca-se o caráter tardio das ações do Estado no sentido de esclarecimento e investigações dos abusos cometidos pela Ditadura, já que a Comissão Nacional da Verdade, principal comissão sobre o tema fora fundada apenas em 2012, vinte e sete depois do fim do regime de exceção brasileiro.
d) Incorreta. A criação dos lugares de memórias não busca "pacificar" o passado, mas sim cumprir a obrigação do Estado com a preservação da memória, da verdade, da justiça num esforço de reparação histórica para com as vítimas das Ditaduras. Portanto, a ideia fundamental que subjaz à política regional dos locais de memória envolve o reconhecimento dos abusos cometidos pelo Estado e a valorização da memória daqueles que foram vítimas de seus agentes, e não a pacificação permanente sobre este passado.
 

Questão 64 Visualizar questão Compartilhe essa resolução

Revolução Industrial

A palavra Antropoceno aparece hoje no título de centenas de livros e artigos científicos, em milhares de citações, e seu uso continua a crescer nos meios de comunicação. Referindo-se à época em que as ações humanas começaram a provocar alterações biofísicas em escala planetária, o termo foi criado nos anos de 1980 e popularizado na década de 2000. Grupos de especialistas constataram que essas alterações afetavam o Sistema Terra do relativo equilíbrio observado desde o início do Holoceno, há 11.700 anos. Para marcar o início dessa nova era, tais grupos escolheram simbolicamente o ano de 1784, momento do aperfeiçoamento da máquina a vapor e sua popularização. O contexto também corresponde ao início da revolução industrial e da utilização dos combustíveis fósseis.

(Adaptado de LÉNA, Philippe; ISSBERNER, Liz-Rejane. Antropoceno: os desafios essenciais de um debate científico. Correio da Unesco. Suplemento online. Unesco Courrier. 2018-2. Disponível em: https://pt.unesco.org/courier/2018-2/antropoceno-os-desafios- -essenciais-um-debate-cientifico . Acesso em 03/05/2022.)

Com base na leitura do texto acima e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta.



a)

A partir do século XVIII, com o Iluminismo, a crença da superioridade humana sobre a natureza foi amplamente questionada, o que diminuiu os impactos das ações humanas sobre o Planeta em todo o século XX e XXI.

b)

A partir da Era Moderna, o antropocentrismo pautou a crença na superioridade humana sobre a natureza; essa ideia foi consolidada em 1784, mantendo-se nas ciências até o presente com o nome de Antropoceno.

c)

Mudança climática, alteração da cobertura vegetal e perda de biodiversidade em grande escala são marcas da humanidade no Planeta desde as expansões marítimas do século XVI, sendo pouco preocupantes para as ciências.

d)

Com a popularização do estilo de vida norte-americano, houve uma aceleração das mudanças causadas pela ação humana sobre o Planeta Terra, mudanças essas que vinham ocorrendo desde 1784, com a Revolução Industrial.

Resolução

A questão traz o termo "Antropoceno" para se referir ao seguinte debate, que pode ser entendido como a interferência do ser humano, no ambiente, capaz de mudar os rumos climáticos e alterar categoricamente as dinâmicas naturais do planeta. Tendo isso em vista, vejamos os itens.
a) Incorreta. Equivocadamente, o item afirma que, a partir do século XVIII, "a crença da superioridade humana sobre a natureza foi amplamente questionada" e, mais ainda, relaciona, também de forma equivocada, essa falsa informação com outra falsa informação: a de que os impactos das ações humanas sobre o planeta teriam diminuído nos séculos XX e XXI. Seja para contestar a primeira afirmativa, ou a segunda, uma ampla lista de autores, de filósofos a geólogos, passando por sociólogos, historiadores e outros teóricos mais, o fato é que o Iluminismo do século XVIII, poderíamos dizer, dentro desse debate, aumentou a "arrogância" do ser humano frente às possibilidades de interferir no mundo para controlá-lo, ideia que já é muito clara na Modernidade, a partir de Francis Bacon (lembremo-nos de sua icônica frase - saber é poder - e sua icônica alcunha - filósofo industrial), e vai se consolidando cada vez mais, e ainda hoje, como pretexto para a crescente exploração dos bens naturais em prol do mercado econômico. 
b) Incorreta. Embora seja possível dizer que o antropocentrismo, forte desde o início da Idade Moderna (Renascimento), acabou nos direcionando para uma "crença" na superioridade da humanidade frente à natureza, seria equivocado afirmar, como faz a alternativa, que essa crença se consolida em 1784, ano que, segundo o texto que embasa o exercício, teria sido tomado como ano simbólico, para alguns estudiosos, de uma era marcada pela capacidade humana de alterar categoricamente as dinâmicas naturais do planeta. Ademais, não podemos dizer, de modo inconteste, que o nome Antropoceno faz parte do mundo científico nos dias de hoje. Sinal disso é que a comunidade científica ligada à geologia ainda não aceita, oficialmente, esse termo.
c) Incorreta. O item está incorreto pois afirma que as marcas da humanidade no planeta tem sido  "pouco preocupantes para as ciências." A bem da verdade, toda a comunidade científica, das ciências humanas às ciências biológicas, passando também pelas ciências exatas, se preocupa com a exagerada interferência do ser humano no planeta terra, sendo esse um tema de pesquisa de cientistas de variadas áreas, no mundo inteiro.
d) Correta. O item traz informações verdadeiras do começo ao fim, seja porque nos fala sobre a interferência do estilo de vida norte americano na lógica de extração, produção e consumo de mercadorias, seja porque cita o ano de 1784, simbolicamente adotado por alguns estudiosos como ano chave para a interferência humana no meio ambiente, seja porque menciona o peso da Revolução Industrial nesse mesmo processo de interferência. O primeiro e o terceiro ponto, aqui, são os mais importantes. No que diz respeito ao estilo de vida norte americano, difundido a partir do século XX, temos a lógica das produçõs de larga escala e do consumismo, fenômenos entendidos como meios de extrapolar o uso de matérias primas e insumo produtivos (oriundos, claro, da natureza) e, portanto, capazes de afetar negativamente a relação "custo X benefício" da nossa vida no planeta terra. Por óbvio, a ideia se relaciona com a Revolução Industrial e as outras fases do capitalismo que depois vieram, sempre priorizando a extração sem escrúpulos e sem medida, em detrimento de um modo de vida sustentável. No campo histórico e sociológico, via Perry Anderson, por exemplo, ou no campo do debete ético, via Hans Jonas e sua teoria geracional, ou em tantos outros campos de discussão teórica, os elementos que a alternativa levantam são sempre mencionados.

Questão 65 Visualizar questão Compartilhe essa resolução

Text Comprehension

Os textos A e B são postagens no perfil do The New York Times na rede social Instagram.

(Adaptado de: https://www.instagram.com/p/Cd9JuKEurwI/; https://www.instagram.com/p/CeOjX6UOaZJ/. Acesso em 15/06/2022.)

Qual a relação que se estabelece entre os textos A e B?



a)

serve de exemplo e justificativa para o que B noticia.

b)

B serve de exemplo e justificativa para o que A noticia. 

c)

A e B são, ambos, notícias sobre mudanças na política de porte de armas. 

d)

A e B são, ambos, notícias sobre a ausência de leis para porte de armas.

Resolução

Texto A

Ao menos 16 pessoas foram baleadas em uma Escola de Ensino Fundamental no Texas.

Um homem armado matou 14 crianças e um(a) professor(a) na escola de Ensino Fundamental Robb em Uvalde, no Texas. O suspeito de 18 anos também foi morto. 

Texto B

Canadá planeja banir a venda e a posse de armas

"Nós temos a responsabilidade de prevenir mais tragédias. Nós precisamos apenas olhar para o sul da fronteira para saber que, se não agirmos, firmemente e rapidamente, as coisas vão piorar mais e mais e ficará cada vez mais difícil de conter", disse o Primeiro Ministro Justin Trudeau quando propôs apertar o já rigoroso controle de armas de fogo do país.

 

A) Correta. A notícia A informa sobre um acontecimento trágico oriundo do porte de armas. Essa notícia é um exemplo e também uma justificativa para a notícia B, que informa sobre a decisão do Primeiro Ministro do Canadá, que planeja banir o porte de armas do país, a fim de evitar mais tragédias como a da notícia A.

B) Incorreta. O exemplo na verdade está na notícia A (são tragédias como a da notícia A que justificam ações de governos - no caso, o banimento do porte de armas - como a da notícia B).

C) Incorreta. A notícia A não noticia uma mudança na política de porte de armas, e sim um massacre em uma escola no Texas.

D) Incorreta. A notícia A não é uma notícia sobre a ausência de leis para portes de armas, e sim um massacre em uma escola no Texas. E a notícia B fala sobre o desejo do Primeiro ministro canadense em modificar as leis para porte de armas, a fim de evitar outras tragédias.

Questão 66 Visualizar questão Compartilhe essa resolução

Text Comprehension

Leia um trecho de um romance publicado em 1985.

But if you happen to be a man sometime in the future, and you’ve made it this far, please remember you will never be subject to the temptation or feeling you must forgive, a man, as a woman. But remember that forgiveness too is a power. To beg for it is a power, and to withhold or bestow it is a power, perhaps the greatest. Maybe none of this is about control. Maybe it isn’t really about who can own whom, who can do what to whom and get away with it, even as far as death. Maybe it isn’t about who can sit and who has to kneel or stand or lie down (…). Maybe it’s about who can do what to whom and be forgiven for it. Never tell me it amounts to the same thing.

(Adaptado de ATWOOD, Margaret. The Handmaid’s Tale. New York: HMH, p. 134, 1985.)

No depoimento, a personagem explicita a relação entre



a)

poder e tentação.

b)

feminismo e violência.

c)

poder e perdão.

d)

perdão e feminismo.

Resolução

Mas se acontecer de você ser um homem em algum momento no futuro, e você chegou até aqui, lembre-se de que você nunca estará sujeito à tentação ou sentimento que deve perdoar, tanto um homem, como uma mulher. Mas lembre-se de que o perdão também é um poder. Implorar por ele também é um poder, e retê-lo ou concedê-lo é um poder, talvez o maior. Talvez nada disso seja sobre controle. Talvez não seja realmente sobre quem pode possuir quem, quem pode fazer o que pra quem e se safar disso mesmo que até a morte. Talvez isso não seja sobre quem pode se sentar ou quem precisa se ajoelhar ou precisa ficar de pé ou precisa se submeter (…). Talvez seja sobre quem pode fazer algo a alguém e ser perdoado por isso. Nunca me diga que é a mesma coisa.

a) Incorreta. O texto não tem o enfoque no conceito de "tentação" - essa palavra só é utilizada no início do texto, em "lembre-se de que você nunca estará sujeito à tentação ou sentimento que deve perdoar".

b) Incorreta. O texto não está falando sobre a relação entre os conceitos feminismo e violência, e sim sobre o poder do perdão diante de diferentes situações.

c) Correta. O texto discorre sobre o ato de perdoar ser o ato mais poderoso de todos. Portanto, relaciona os dois conceitos sem especificar situações práticas.

d) Incorreta. Apesar de "perdão" ser um dos conceitos principais do texto, este não está falando sobre a relação entre os conceitos feminismo e perdão, e sim sobre o poder do perdão diante de diferentes situações.

Questão 67 Visualizar questão Compartilhe essa resolução

Text Comprehension

O texto a seguir focaliza o termo “audism”, que pode ser traduzido para o português como “ouvintismo”.

Audism is an attitude based on thinking that results in a negative stigma toward anyone who does not hear. Like racism or sexism, audism judges, labels, and limits individuals based on whether a person hears and speaks. Audism reflects the medical view of deafness as a disability that must be fixed. It is rooted in the historical belief that deaf people were savages without language. Because many deaf people grew up in hearing families who did not learn to sign, audism may be ingrained.

Audism occurs when one:

— Asks a deaf person to read your lips or write when s/he has indicated this isn’t preferred.

— Asks a deaf person to “tone down” their facial expressions because they make others uncomfortable.

— Devotes a significant amount of instructional time for a deaf child to lipreading and speech therapy, rather than educational subjects.

(Adaptado de: https://vawnet.org/sc/audism-oppression-lives-deaf-individuals. Acesso em 21/06/2022.)

É correto afirmar que o texto



a)

argumenta que o ouvintismo é um conceito médico e lista modos de ser menos ouvintista.

b)

apresenta o conceito de ouvintismo e traz exemplos de atitudes consideradas ouvintistas.

c)

compara o ouvintismo a outros preconceitos e lista ações a serem tomadas ao lidar com pessoas surdas.

d)

explica o que é ouvintismo e exalta a capacidade das crianças surdas de ler os lábios.

Resolução

"Ouvintismo" é uma atitude baseada no pensamento que resulta em um estigma negativo em relação a quem não ouve. Como o racismo ou sexismo, o ouvintismo julga, rotula e limita os indivíduos com base em se uma pessoa ouve e fala. O ouvintismo reflete a visão médica da surdez como uma deficiência que deve ser corrigida. Está enraizado na crença histórica de que os surdos são selvagens e sem idioma. Porque muitos surdos cresceram ouvindo famílias que não aprenderam a assinar, o ouvintismo pode estar arraigado.

Ouvintismo ocorre quando um:
— Pede-se a uma pessoa surda que leia seus lábios ou escreva mesmo quando a pessoa indicar que não quer fazer isso.
— Pede-se a uma pessoa surda que “diminua o tom” de suas expressões faciais porque isso deixa os outros desconfortáveis.
— Dedica-se uma quantidade significativa de tempo para instruir uma criança surda à leitura labial e fonoaudiologia, ao invés de assuntos educacionais.

a) Incorreta. O ouvintismo não é um conceito médico, apenas reflete a ideia errônea de que a surdez é uma deficiência. E a lista define algumas maneiras como o ouvintismo ocorre (e não modos de ser menos ouvintista).

b) Correta. O conceito de ouvintismo é apresentado no primeiro parágrafo do texto e a lista traz os exemplos de meios como o ouvintismo ocorre. Portanto, esta alternativa é a correta.

c) Incorreta. O ouvintismo não é comparado a outros preconceitos em nenhum momento do texto e as ações listadas são exemplos de quando o ouvintismo ocorre, e não ações a serem tomadas ao lidar com pessoas surdas.

d) Incorreta. O texto explica o que é o ouvintismo, porém em nenhum momento exalta a capacidade das crianças surdas de ler os lábios.

Questão 68 Visualizar questão Compartilhe essa resolução

Text Comprehension

Texto 1

In history, the rise of street art around the world has mirrored multiple waves of political unrest. The use of this avantgarde art style for political activism has spread to the Bay Area, California. As an influx of white upper-class residents displaced low-income households, the anger of local people fueled a movement to take back the streets via spray paint, video projections, stenciling — any street art medium. Bay Area activists are weaponizing street art to unite the masses and reclaim their communities’ stolen narratives, re-imagining better futures alongside comrades across the nation. Their freeing and colorful art combats the virulent systems of oppression that white supremacy has entrenched in our society, those same systems which mark their craft as illegal under the guise of vandalism. Street art democratizes public spaces and takes back the streets as effectively as physical protests. As a street artist, Nancypili Hernandez says that her art transforms “locations that feel like a parking lot or private property, to feeling like a collective community commons.”

(Adaptado de: https://harvardpolitics.com/street-art-activism/. Acesso em 20/06/2022.)

Texto 2


Segundo o Texto 1, é correto afirmar que a arte de rua é



a)

uma representação vanguardista de arte, originada na Califórnia, que busca combater o preconceito que associa essa manifestação artística ao vandalismo.

b)

um movimento político no qual os artistas buscam difundir a diversidade através da união entre diferentes classes da sociedade.

c)

uma manifestação artística, com motivações políticas, que busca defender os direitos de pessoas em situação de rua.

d)

um estilo artístico que materializa a luta de alguns grupos contra mecanismos sociais que buscam apagar suas vozes.

Resolução

Texto 1

Na história, a ascensão da arte de rua em todo o mundo tem refletido em múltiplas ondas de agitação política. O uso deste estilo de arte vanguardista para o ativismo político se espalhou para a Bay Area, Califórnia. À medida que um influxo de moradores brancos de classe alta deslocou as famílias de baixa renda, a raiva da população local alimentou um movimento para retomar as ruas por meio de tinta spray, projeções de vídeo, estêncil – qualquer meio de arte de rua. Ativistas da Bay Area estão armando a arte de rua para unir as massas e recuperar as narrativas roubadas de suas comunidades, reimaginando futuros melhores ao lado de camaradas em todo o país. Sua arte libertadora e colorida combate os sistemas virulentos de opressão que a supremacia branca enraizou em nossa sociedade, mesmos sistemas estes que marcam seu ofício como ilegal sob o pretexto de vandalismo. A arte de rua democratiza os espaços públicos e retoma as ruas de forma tão eficaz quanto os protestos físicos. Como artista de rua, Nancypili Hernandez diz que sua arte transforma “locais que parecem um estacionamento ou propriedade privada, em uma comunidade coletiva”.

a) Incorreta. No início do texto, afirma-se que a história do surgimento da arte de rua ao redor do mundo refletiu múltiplas ondas de agitação política, e que o uso desse estilo de arte como ativismo político se espalhou para a Bay Area na California. Portanto, esta arte de rua não surgiu na Califórnia.

b) Incorreta.  O texto não mostra a arte de rua como um meio de união entre as diferentes classes.

c) Incorreta. Esse tipo de arte não busca defender especificamente os direitos de moradores de rua. 

d) Correta. Como explicitado no texto, a arte de rua é uma tentativa de unir as classes menos favorecidas, materializando a luta destas pessoas contra mecanismos sociais opressores: "Ativistas da Bay Area estão armando a arte de rua para unir as massas e recuperar as narrativas roubadas de suas comunidades, reimaginando futuros melhores ao lado de camaradas em todo o país. Sua arte libertadora e colorida combate os sistemas virulentos de opressão que a supremacia branca enraizou em nossa sociedade".

Questão 69 Visualizar questão Compartilhe essa resolução

Text Comprehension

Texto 1

In history, the rise of street art around the world has mirrored multiple waves of political unrest. The use of this avantgarde art style for political activism has spread to the Bay Area, California. As an influx of white upper-class residents displaced low-income households, the anger of local people fueled a movement to take back the streets via spray paint, video projections, stenciling — any street art medium. Bay Area activists are weaponizing street art to unite the masses and reclaim their communities’ stolen narratives, re-imagining better futures alongside comrades across the nation. Their freeing and colorful art combats the virulent systems of oppression that white supremacy has entrenched in our society, those same systems which mark their craft as illegal under the guise of vandalism. Street art democratizes public spaces and takes back the streets as effectively as physical protests. As a street artist, Nancypili Hernandez says that her art transforms “locations that feel like a parking lot or private property, to feeling like a collective community commons.”

(Adaptado de: https://harvardpolitics.com/street-art-activism/. Acesso em 20/06/2022.)

Texto 2